14 DE DEZEMBRO | |

Rio Branco, AC

Giro Acreano no Facebook Giro Acreano no Twitter Giro Acreano no Google Plus Fale conosco
Publicado em 21/02/2018 - 17:00

Deputado Major Rocha protocola pedido de Intervenção Federal na Segurança Pública do Acre

“Algo precisa ser feito de imediato, ou então continuaremos a contar nossos mortos, sejam eles bandidos ou inocentes. Os governos de esquerda faliram a segurança pública de nosso estado”, destacou o parlamentar.

Da Redação,
Portal Giro Acreano.

Deputado Major Rocha.

O deputado federal Major Rocha (PSDB) protocolou na manhã de quarta-feira, 21, junto ao Ministério da Justiça, o pedido de intervenção federal na Segurança Pública do Acre.

O parlamentar argumentou o seu pedido baseado no caos e insegurança que se instaurou no estado.

De acordo com as informações do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, que analisou os índices de violência nos anos de 2015 e 2016, Rio Branco figurou no estudo como terceira capital mais violenta do país com 62,3 mortes violentas para cada 100 mil habitantes, atrás apenas de Aracaju e Belém que apresentam um índice de 66,7 e 64,9 respectivamente.

Já o Acre registrou, no mesmo período, o maior crescimento de mortes violentas entre todos os estados do país chegando a 54,7%, deixando para trás grandes estados como Rio de Janeiro que registrou um crescimento de 24,3% e Rio Grande do Norte com 18%.

“Tudo indica que a próxima publicação da pesquisa a situação ainda piore. Isso porque em 2017 aconteceram 484 mortes violentas contra 350 mortes de 2016, um aumento de mais de 38%. Dividindo estes números por 830 mil habitantes dá uma média de 58,3 homicídios por 100 mil habitantes”.

Se por um lado as estratégias de Segurança Pública falham, as policias, mesmo sem a ajuda do governo com recursos humanos e materiais, continuam fazendo um bom trabalho para tentar manter a ordem no estado, afirma o deputado.

“Em 2015, o sistema prisional abrigava 4.480 apenados, para um total de apenas 2.457 vagas. Em dois anos, esse número aumentou para 5.910 presos e apenas, 2.565 vagas. O número de presos provisórios, um dos maiores gargalos na caótica situação carcerária, também aumentou no estado. Há dois anos esse percentual era de 28,9%, em 2017 passou para 30,9%. Existem 1.828 presos provisórios. 3.185 estão condenados”, disse o parlamentar.

A ideia do parlamentar no pedido é simples: não adiante ter um excelente time e não ter estratégias e dar as condições adequadas para que o bom combate possa ser realizado. “Algo precisa ser feito de imediato, ou então continuaremos a contar nossos mortos, sejam eles bandidos ou inocentes. Os governos de esquerda faliram a segurança pública de nosso estado”, finalizou.

* Com informações da Assessoria.


Veja também

Deixe seu comentário